Premissa: O cenário atualizado de simultaneidade de ocorrência de doenças endêmicas que permanecem entre nós há séculos e novas doenças de proporções pandêmicas, exigem renovação de modelos de vigilância epidemiológica, atenção médica, interação de atividades de saúde contínuas e compartilhadas, além de rápida geração de conhecimentos e sua respectiva divulgação imediata. No que se refere ao último ponto, a capacitação de pessoas ligadas aos diversos serviços de saúde, em especial aqueles envolvidos no controle de doenças e de surtose as vigilâncias epidemiológicas, sanitárias e ambientais precisa ser contínuo e cada vez mais focado em ações compartilhadas. Por sua vez, a atividade de pesquisa científica anseia por interações mais eficazes com estes setores para fins de divulgação de seus resultados e de aplicação das descobertas que sejam úteis no controle, diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças.

Breve histórico: O comprometimento de profissionais ligados à pesquisa científica com duas seculares endemias brasileiras, a doença de Chagas e as Leishmanioses fez surgir este evento de excelência até hoje mantido. Com início em 1984, as Reuniões de Pesquisa Aplicada em doença de Chagas e Leishmanioses contribuíram com a construção de um novo paradigma de ciência. Visam o intercâmbio técnico-científico entre os profissionais da saúde, pesquisadores, gestores e estudantes de graduação e pós-graduação de diversas áreas e países. A estrutura das reuniões se baseia na discussão de proposições ou resultados de pesquisa científicas direcionados aos agentes executores das políticas de saúde nacionais e são focados nas evidências geradas pelos setores da pesquisa, as quais possam ser diretamente aplicadas na melhoria das estratégias de controle e prevenção dos agravos em questão.

Proposta: Realização da ChagasLeish 2021 no período 25 a 28 de outubro de 2021, como parte do 56º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical – MEDTROP PLAY

Objetivos: – Promover o intercâmbio técnico-científico entre profissionais de saúde e pesquisadores buscando novas estratégias de controle, profilaxia, tratamento e manejo clínicos na doença de Chagas e Leishmanioses; – Aproximar profissionais das áreas de desenvolvimento tecnológico-estratégico e promover a transferência tecnológica ao setor produtivo, visando a solução dos problemas ligados à saúde individual,  coletiva e danos sociais advindos dessas endemias; Favorecer a capacitação qualificada de profissionais e estudantes nas mais diversas áreas abordadas durante o evento; – Apresentar, por meio de proposições de implementação, mudanças, inovações ou exclusão de políticas públicas relativas ao controle, compartilhar atividades e interações que auxiliem a gestão técnica destas endemias,  sob a luz das de evidências científicas.

Síntese do método: Por meio de Cursos, Oficinas, Grupos de Trabalho, Conferências, Mesas Redondas, Miniconferências e Painéis, abordar temáticas tais como: “Inter-relação entre Pesquisa, Tecnologia e Serviço na busca de soluções para o controle de doenças endêmicas”; “Reforço das capacidades regionais de metodologia de Ensaios clínicos para inserção de novas drogas para o tratamento de doença de Chagas e Leishmanioses”; “Dificuldades de controle das Leishmanioses e atenção aos pacientes nas fronteiras e em comunidades isoladas”; “Vigilância entomológica de triatomíneos, baseada em controle comunitário”; “Retorno de Transmissão vetorial de doença de Chagas”; “Atendimento das leishmanioses e da doença de Chagas na Atenção primária em áreas endêmicas: experiências exitosas”; “Desafios da assistência médico-diagnóstica para leishmanioses doença de Chagas” em “Segurança transfusional para endemias: um paradigma superado?; ”Manejo de portadores de doença de Chagas ou leishmaniose co-infectados por HIV”, “Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) para doença de Chagas e leishmanioses”; Covid-19 e doença de Chagas: desafios impostos”, dentre outras.

Mais uma vez a Rede Brasileira de Pesquisas em Tuberculose REDE-TB se une à Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT) na 56ª edição do MEDTROP para realizar o seu 8º Workshop. É com muita alegria que damos boas-vindas a cidade de Belém, com suas belezas, sua cultura pungente, suas manifestações religiosas e culturais que simbolizam a história da capital paraense, um grande destino turístico, que este ano será palco do maior evento médico-científico de Medicina Tropical.

A intensa programação científica preparada pela REDE-TB, evento satélite que ocorreram simultaneamente ao congresso vai contar com a presença de renomados especialistas, nacionais e internacionais, em um momento de tamanho desafio imposto pela pandemia de COVID-19. Temos certeza de que o Workshop será uma excelente oportunidade para discutirmos os desafios da tuberculose, principalmente em tempos de pandemia, em que a doença e os programas em nosso País sofreram grande impacto, em que fomos obrigados a nos reinventar, mudar nossas formas de trabalho.

Foi um ano bastante difícil, mas que também mostrou a importância da ciência e do trabalho desenvolvido pelos pesquisadores. Esse conhecimento científico foi fundamental para que conseguíssemos entender melhor todos os desafios estabelecidos pela pandemia e suas implicações na tuberculose. Precisamos traçar metas para 2021, bem como para os próximos anos que diminuíam os efeitos desses impactos.

Contamos com a participação de todos em mais essa edição do Workshop da REDE-TB. Esperamos por vocês em Belém do Pará, quando o maior número possível de pessoas já deve estar vacinado. Enquanto isso não for possível, continuem se protegendo com máscaras, mantendo o distanciamento físico e a higiene das mãos.

Dra. Ethel Maciel
Presidente da Rede Brasileira de Pesquisa em Tuberculose e do VIII Workshop da REDE-TB

 

PROGRAMAÇÃO PARA DOWNLOAD

 

Sobre o Entomol 8

As doenças humanas transmitidas por insetos hematófagos representam um sério problema de saúde pública no Brasil, onde acometem milhares de pessoas a cada ano. Neste contexto, tem-se observado um interesse crescente dos órgãos de vigilância sanitária no delineamento de estratégias de controle baseadas no combate aos insetos transmissores. No entanto, para que alcancem o nível de eficácia desejado, é imprescindível que se disponha de um profundo conhecimento sobre a biologia destes vetores, assim como dos delicados mecanismos de interação com os agentes etiológicos que transmitem.

A utilização de ferramentas de biologia molecular no estudo de insetos vetores vem sendo cada vez mais difundida entre pesquisadores de todo o mundo, implicando no surgimento de alternativas de controle cada vez mais específicas e eficazes. Apesar da notável expansão deste campo no Brasil, considera-se que o número de pesquisadores devidamente capacitados para a condução destes trabalhos ainda é restrito, determinando a necessidade da formação e capacitação de recursos humanos nas áreas que permeiam a chamada Entomologia Molecular. Neste sentido, a realização do VIII Workshop de Genética e Biologia Molecular de Insetos Vetores de Doenças Tropicais (ENTOMOL 8) tem como objetivo maior contribuir no processo de aperfeiçoamento dos grupos de pesquisa atuantes nesta área do conhecimento no Brasil, congregando a comunidade cientifica do país no campo da entomologia médica e com participação de colegas do exterior que desenvolvem estudos em parceria com grupos do país.

O evento também tem a finalidade de possibilitar a crescente formação de estudantes de graduação e pós-graduação da Região Nordeste, assim como contribuir para a atualização profissional dos pesquisadores que já atuam nas áreas relacionadas ao tema central do evento. Por outro lado, o evento também atrai a participação de técnicos envolvidos na elaboração e execução dos serviços de vigilância epidemiológica em programas e controle de vetores nos níveis municipal, estadual e federal.

Finalmente, em virtude das circunstâncias da pandemia de covid-19, a oitava edição do meeting será realizada excepcionalmente de forma virtual, e novamente em conjunto com o congresso anual da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, através de plataforma MEDTROP PLAY. Esperamos encontrá-los todos bem e revê-los de forma virtual no próximo mês de outubro, com fortes esperanças da retomada de nosso encontro presencial na nona edição do ENTOMOL.

Comissão Organizadora